• Bruno Miranda

NOITE PASSADA EM SOHO (2021)


Elevando o nível de filmes sobre "viagens no tempo", 'Last Night in Soho' é um dos filmes mais cativantes dos últimos tempos.


Não bastando uma carreira lotada de clássicos divertidos e interessantes, Edgar Wright trás as telas, uma versão de cinema que transpõem o moderno e o clássico. Ao literalmente misturar os anos 60 com os tempos atuais, o longa de 1 hora e 57 minutos se torna um deleite, tanto para os olhos, quanto para a mente, tendo em vista um roteiro tão sucinto e inteligente. As atuações sensacionais de Thomasin Mackenzie e Anya Taylor-Joy preenchem o filme de maneira estupenda, fazendo com que essa dupla de atrizes pareça ter sido inevitavelmente feita para unir forças.


A história de uma garota que perdeu a mãe muito cedo, se mescla com a de outra garota, cujo os sonhos eram grandes demais para uma realidade cruel. As relações e sobreposições do roteiro, trazem a tona o assunto principal da trama: Libertação por necessidade; Com planos sequências que beiram a perfeição, o diretor trás uma visão deslumbrante da personagem 'Sandie', que é para onde os sonhos de 'Eloise' se devaneiam. Através da representação do reflexo do espelho, o filme trás a tona a auto reflexão e seus mistérios. É possível ser muito mais do que é esperado? É possível vencer sem perder sua própria identidade? Numa sociedade estruturalmente misógina, se torna impossível.



Cenas incríveis são predispostas ao olhar do espectador do começo ao fim da trama, parece que quanto mais o filme se desenvolve, mais interessante e intenso ele se torna, é como uma viagem de carro que você nunca quer que acabe. E nesse incansável paradigma, o longa vai desde um drama com aspectos noir, até uma espécie de semi-thriller, mas claro, sem perder sua identidade.


O drama intenso se guia através do medo de Eloise, que apesar de estar sempre cercada pelos fantasmas de Sandie, é pelo pânico que seu senso de justiça é aflorado, a personagem que possui um histórico familiar de doença mental, é tratada como uma "louca" por quase todos a sua volta, porém em sua mente, a lucidez nunca foi tão realista. O tema feminista do filme é o grande acerto de tudo, porque apesar de todos os elementos alegóricos, o entendimento claro sobre termos como o 'gaslighting' por exemplo se torna literal. De forma eficaz e simplificada, o longa consegue ser além de extremamente atrativo, uma odisseia sobre o sofrimento não igualitário causado pelo sexismo na história humana.



"NOITE PASSADA EM SOHO" (2021)
5/5 - OBRA-PRIMA