• Vitor Miranda

Críticas do último dia do Festival de Cannes 2022

Confira as críticas do último primeiro dia do Festival de Cannes 2022:

SHOWING UP
IN COMPETITION
A performance de Williams é tão natural e implosiva que pode parecer que estar presente é tudo o que ela realmente precisava fazer, mas é extremamente difícil fazer uma atuação parecer tão fácil como essa.

Indie Wire (B)


“Showing Up” é talvez o filme mais fundamentado e menos impressionista de Reichardt, mas ainda é mais do que atencioso, é agradável e bonito. É uma peça de arte refrescante, cuidadosamente trabalhada e exibida com orgulho.

The Wrap


Tudo em Showing Up é certamente válido, mas confesso que achei que faltou alguma perspectiva sobre a vida de Lizzie, e às vezes é um pouco estudado e desapaixonado, especialmente se comparado ao filme anterior de Reichardt, First Cow. Mas há simpatia e charme e espaço para reflexão.

The Guardian (3/5)


“Showing Up” pode ser quieto demais para encontrar um grande público, mas em seu jeito encantador localiza aquele lugar onde arte e vida se cruzam, à medida que cada um se torna o outro. Williams é mágica como atriz – ou talvez, à sua maneira, uma escultora também.

Variety


Como a obra de arte distinta feita pela protagonista de Showing Up, o oitavo longa de Kelly Reichardt é lindamente trabalhado, uma joia modesta que aumenta o impacto quanto mais se examina. A colaboradora frequente Michelle Williams retrata uma artista profundamente descontente que não consegue se livrar de um mal-estar geral, e o filme explora silenciosamente todas as razões pelas quais ela pode ter chegado a um estado tão infeliz. Como sempre, Reichardt usa uma história enganosamente pequena para criar algo universal e verdadeiro, provocando alguns sorrisos irônicos ao longo do caminho.

Screen Daily


O trabalho de Reichardt com Michelle Williams está entre as colaborações mais gratificantes do cinema independente contemporâneo.

Hollywood Reporter


Esta é uma das conquistas menores e mais pessoais de Reichardt. Embora você possa imaginar uma versão de 40 minutos desta história encaixando perfeitamente no quadro de humor do último filme, muito do valor de diversão deste vem de sua paciência seca, sua vontade de sentar e examinar completamente um canto do mundo.

The Telegraph (4/5)

MOTHER AND SON
IN COMPETITION
Mother and Son é delicado mas doloroso. Lengronne é ótima.

Variety


Lengronne é excelente.

The Guardian (4/5)


O filme tem a sensação de uma autobiografia repleta de memórias. Tudo aqui claramente soa importante para Serraille. Lengronne tem uma presença maravilhosamente vívida.

Deadline


Um exame sensível e complexo das tensões de uma família de imigrantes. A presença de tela cativante de Lengronne e o seu caráter magnético, mas traiçoeiramente mercurial de Rose, contribuem para uma parte do filme. Uma vez que o foco muda dela para os meninos, primeiro Jean e finalmente Ernest, a ausência de Rose da tela é fortemente sentida. E se Lengronne às vezes desequilibra o filme, é principalmente porque sua qualidade como estrela é evidente em cada cena em que ela aparece.

Screen Daily


Obra sutilmente elaborada a partir de um roteiro altamente sofisticado cujo alcance temporal e três perspectivas - sucessivamente centrais à história - nunca minam a intensidade e a veracidade do presente, Mother and Son se desenrola com delicadeza, sem nunca forçar o drama.

Cineuropa


Annabelle Lengronne dá um excelente desempenho como a jovem mãe Rose. Serraille, cujo filme de estreia Jeune Femme ganhou a Camera d'Or em Cannes em 2017, voltou com um filme que parece uma caixa de joias de momentos marcantes: há coisas preciosas aqui.

The Telegraph (4/5)