• Bruno Miranda

TITANE (2021)


Ambicioso, visceral, metálico e completamente absurdo, 'Titane (2021)' é a cara do cinema abstrato francês.

Um filme que vai além do material, esse é o produto completo do longa de 1 hora e 48 minutos, com uma eletrizante direção de Julia Ducournau. Conta com um roteiro complexo, mas, poético. A história instigante de Alexia, interpretada pela brilhante Agate Rousselle, é extremamente violenta. Navegando pelos absurdos de sua vida, a personagem sofre um acidente em sua infância, após esse evento, nada mais é como antes. Uma placa de titânio é colocada em sua cabeça com objetivo de mantê-la viva, mas, é justamente isso que lhe causa a morte.


Uma psicopatia causada por um trauma; uma discussão sobre gêneros e seus espectros; uma metáfora clara sobre a perda de um ente querido; uma história transgressora sobre o direito de escolha; uma poesia carnal sobre a manifestação física da dor psicológica; e também, uma paródia que brinca com o que é nocivo e absurdo na raça humana. Todas essas definições podem ser facilmente aplicadas a esse filme, que promete deixar qualquer espectador em choque. Não é apenas uma obra que procura trazer cenas gráficas, é uma brincadeira audiovisual que transparece verdade sobre muitos assuntos.

Certamente, os debates sobre esse filme serão constantes, consigo ver essa obra sendo usada como tema de diversos trabalhos, críticas sobre comportamento humano, e, até mesmo, como piadas geradas pela má interpretação do mesmo, mas uma coisa é certa. esse pedaço gritante de cinema é algo para se refletir e rever diversas vezes.


O abstracionismo, aplicado por Ducournau, através da câmera, demonstra-se de diversas formas, em cenas sútis, e também, em cortas gráficos. O ritmo do filme é tão inconstante que é quase impossível se sentir entediado, é preciso estar atento porque alguns detalhes se tornam cruciais. A forma física da personagem principal é tanto metalinguística como literal, as ações tomadas pela personagem podem parecer aleatórias, mas seguem uma lógica pré-disposta pelo seu subconsciente. Todas as peças desse grande quebra- cabeça teatral e irrealístico tornam o longa uma reflexão necessária, esse filme, sem sombra de dúvidas, não é para todos os públicos, dialoga diretamente a todo tipo de pessoa que gosta de pensar "fora da caixa", é certamente brilhante.


TITANE (2021)
4/5 - ÓTIMO